top of page

Um Desejável Mundo Confuso



Inicio minha participação no blog Casa da Mão com uma livre adaptação do texto Um Convite ao Vôo, de Eduardo Galeano. Esse texto, eu o interpretava na última cena do premiado espetáculo Ensaio Geral, da Agrupação Teatral Amacaca (ATA), trupe da qual faço parte e que é dirigida e conduzida pelo Maestro Hugo Rodas. Galeano, com toda a sensibilidade, toca-nos e traz a reflexão sobre nossos valores e modo de vida para nos tornamos seres melhores e mais evoluídos. Pertinente para o atual momento.

Milênio vai, milênio vem, ano vai, ano vem... E a ocasião é propícia para que os oradores de inflamado verbo discursem sobre os destinos da humanidade e para que os porta-vozes da ira de Deus anunciem o fim do mundo e o aniquilamento geral, enquanto o tempo, de boca fechada, continua sua caminhada ao longo da eternidade e do mistério. Foram proclamadas extensas listas de direitos humanos, mas a imensa maioria da humanidade tem apenas o direito de ver, de ouvir e de calar. Que tal começarmos a exercer o jamais proclamado direito de sonhar? Que tal delirarmos um pouquinho? Vamos fixar o olhar num ponto além da infâmia para adivinhar outro mundo possível: o ar estará livre de todo o veneno; as pessoas trabalharão para viver, em vez de viver para trabalhar; a morte e o dinheiro perderão seus mágicos poderes e ninguém levará a sério aquele que não for capaz de deixar de ser sério; uma mulher negra será presidenta do Brasil, e outra mulher negra será presidenta dos Estados Unidos da América; uma mulher de algum povo indígena governará a Guatemala, e outra, o Peru. Amaremos a natureza, da qual fazemos parte; serão reflorestados os desertos do mundo e os desertos da alma; seremos todos compatriotas e contemporâneos de todos que tenham aspiração à justiça e aspiração à beleza e que tenham nascido onde tenham nascido e tenham vivido quando tenham vivido, sem que importem, nem um pouco, as fronteiras do mapa ou do tempo. E nesse maravilhoso mundo confuso, diferente deste fodido e fastidioso, nós viveremos cada noite como se fosse a última e cada dia como se fosse o primeiro.


Juliana Drummond é formada em

Comunicação Social,

Atriz, Diretora e Coreógrafa.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page