A Construção do Livro: O Caso Rupturas



As principais referências estéticas e gráficas da capa do livro Rupturas são o Neoplasticismo de Piet Mondrian e os ensaios tipográficos de Mira Schendel.


Sobre um fundo feito com papel velho e manchado, usado para forrar as mesas do ateliê, desenvolvi a ilustração, formada por grafismos que insinuam uma espécie de paisagem, na qual elementos arquitetônicos de Brasília aparecem em meio a rabiscos ornamentais complementados por um jogo tipográfico de números e de letras, alguns simbólicos, como o Y, que remete à geração Y, descrita no livro; outros puramente ornamentais e sem qualquer conteúdo linguístico. Esses elementos tipográficos foram dispersos pelo plano de fundo segundo uma lógica rítmica, gerando a ideia de desconexão linguística.


A chave de cores foi reduzida ao vermelho, ao cinza, ao preto e ao branco, como em Mondrian, que, além dessas, utiliza mais o azul e o amarelo. Todo o espaço foi construído sob uma lógica construtivista, na qual linhas horizontais e verticais acentuam a sensação de ruptura e de separação entre as diversas áreas da composição.


A tipologia é composta pela fonte Gothan Black, que dá peso e dramaticidade aos títulos. Cabe aqui uma observação em relação à lombada: sempre faço o texto da lombada de cima para baixo, o que permite que o livro, ao ser colocado deitado sobre uma mesa, com a capa para cima, mantenha a legibilidade da lombada, que, caso contrário, ficaria de cabeça para baixo. É apenas um detalhe que não parece receber muita atenção de uma boa parte dos designers gráficos, no entanto, bem sabemos, detalhes podem fazer uma grande diferença.


79 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© 2017 by Casa da Mão

Brasília, Brazil

acasadamao@gmail.com

+55 61 99239 9779

visite nossa página

  • Facebook Social Icon

Casa da Mão: Arte, Design e Educação